terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Os verdadeiros campeões

Os grandes exemplos devem ser divulgados , também é para isso que serve esta minha janela , dar a conhecer e divulgar exemplos de coragem , daqueles a quem eu chamo os verdadeiros  campeões , por isso partilho com os que ainda não conhecem a historia seguinte :
Carlos Lopes um atleta que se ofereceu para fazer uma maratona a empurrar alguém que tinha o sonho de fazer uma “Maratona”.o Ricardo seu amigo, que está numa cadeira de rodas. 

Comecei a ter o gosto pela corrida em 1984, ano em que o atleta português Carlos Lopes foi campeão olímpico. Como brincavam comigo por causa do nome “Carlos Lopes”, comecei a correr na escola. Por pouco tempo.

Em 1993 fui para a tropa, e a atividade física começou novamente, comecei a ter outra vez o gosto pela corrida e, dos não Atletas, ficava sempre em 1º. Quando sai da tropa, em 1997, deixei de correr.

Em Setembro de 2006 conheci uma rapariga que fazia parte de um grupo desportivo. Comecei a fazer uns treinos com ela. O grupo tinha uma prova e precisavam de um atleta, fizeram o convite e aceitei. Uma corrida de 15 km, que conclui em 01.15.25. Não parei mais até hoje.

Ainda consegui ser atleta-fumador durante 3 anos, pecados que esta vida tem. Consegui deixar o cigarro num acto de “basta” e os resultados comeram aparecer. No ano de 2010, ano das loucuras, ano dos recordes, ano do início dos pesadelos das “lesões”…conclui 62 provas, fiz mais de 4 mil km, e bati os meus recordes:

5km… 17.02;
10km… 35;
15km…53.20;
Meia Maratona 1.18.05.
A máquina queria andar, tinha vontade, mas…o corpo já cansado, 36 anos. Ano de 2011, as lesões…pubalgia, ciática, joelhos, coxas, canelites, etc., etc.. No mesmo ano, recuperava de uma, logo a seguir aparecia outra. E os medos, os receios, de mais lesões, começaram a aparecer.

A garra competitiva, neste momento não tenho, dou tudo para “sorrir a correr”, treino quando posso, normalmente quase todos os dias, mas…se sentir alguma dor, páro logo. Como neste momento, praticamente parado há 3 semanas.

Tenho muitas provas já realizadas, mais de 300, muitos km feitos, novos conhecidos, e alguns amigos. O atletismo é “uma família”, sou amante deste desporto.

Em 2011 fiz a maratona de Lisboa, com o José Valentim Jr., um rapaz que tinha 18 meses, 42 km de puro prazer.

Em 2012, na mesma prova, fiz com o Ricardo, um amigo, que está numa cadeira de rodas. Acreditem que foi uma experiência “maravilhosa” fazer uma maratona a empurrar alguém que tinha o sonho de fazer uma “Maratona”.

Espero ter sempre novas ideias, pois sempre quis fazer coisas que todos dizem “que doido”.

A minha doutrina numa corrida é apenas participar. Claro que corro para poder melhorar os meus tempos. É sempre gratificante, saber que tirei uns segundos ao meu melhor tempo anterior. Numa situação como esta, é preciso ambas, porque as duas trabalham em conjunto.

A quem começa a correr deixo o seguinte recado…se deseja apenas manter a sua forma física, treinos básicos, passe por um médico e verifique o estado de saúde…então pode começar a correr. Caso o atleta pretenda ter melhorias de tempos, objectivos definidos, visite um médico e peça ajuda a um atleta/técnico experiente.

Correr com orientação é correr com saúde.
Nota: Objectivo 2013.. Ponte Vasco da Gama à correr :)

Carlos Lopes

2 comentários:

  1. Muito bem, amigo, temos que ter inúmeos cuidados antes de sair correndo ! Beijo e bons treinos.

    ResponderEliminar
  2. Um atleta fantástico! Um verdadeiro grande campeão que ninguém tenha duvidas disso!

    ResponderEliminar